Precisa de ajuda?

+ 55 11 3706-2995
[email protected]

Livro Impresso

Psicanálise e racismo
interpretações a partir de Quarto de despejo



Belo, Fábio (Organizador)

Psicanálise, racismo, Carolina Maria de Jesus, Quarto de despejo


Sinopse

Carolina Maria de Jesus, a partir de seu "Quarto de Despejo", inspira o diálogo transdisciplinar entre a psicanálise, o direito e a literatura, nos artigos reunidos neste livro. Como a obra de Carolina e o diálogo acadêmico inspirado por ela pode nos auxiliar a pensar sobre e a lutar contra o racismo? Fazendo circular e acreditando na força que a palavra tem de desconstruir as ficções psíquicas e políticas que organizam nosso pacto social. Essa é a aposta que anima a pesquisa cujos primeiros resultados estão neste livro. Partimos da hipótese de que o racismo é uma construção histórico-libidinal e que pode ser desfeita. Dentre os códigos fascistas que organizam o desejo, o racismo se destaca (dentre o machismo, a homofobia, por exemplo) por tentar situar a alteridade num determinado grupo de pessoas de forma a controlá-la, subjugá-la. Esse desejo de distinção provém, em grande medida, da angústia produzida pela presença da alteridade dentro do próprio sujeito. Há algo em um livro como o de Carolina que é preciso ser destacado: trata-se de uma resposta singular a um pacto social perverso, organizado pelo racismo. É preciso pensar nos efeitos afetivos que tal resposta, endereçada como um “diário de uma favelada”, produz em cada um(a) de seus (suas) leitores(as).

Metadado adicionado por Relicário em 26/10/2018

Encontrou alguma informação errada? Perguntar para a Relicário

ISBN relacionados

--


Metadados completos:

  • 9788566786774
  • Livro Impresso
  • Psicanálise e racismo
  • interpretações a partir de Quarto de despejo
  • 1 ª edição
  • --
  • --
  • --
  • --
  • --
  • --
  • Belo, Fábio (Organizador)
  • Psicanálise, racismo, Carolina Maria de Jesus, Quarto de despejo
  • Humanidades
  • 305.8
  • SOC020000, PSY026000, LIT000000
  • 2018
  • 01/10/2018
  • Português
  • Brasil
  • --
  • Livre para todos os públicos
  • 15.5 x 22.5 x 1.5 cm
  • 0.35 kg
  • Brochura
  • 280 páginas
  • R$ 45,90
  • 49019900 - livros, brochuras e impressos semelhantes
  • 9788566786774
  • 9788566786774
  • --

Sumário

APRESENTAÇÃO 7DO SILÊNCIO À DENÚNCIA, DA DENÚNCIA AO TESTEMUNHO, DO TESTEMUNHO À CRIAÇÃO: CAMINHOS DE ANÁLISEMaria Lúcia Miranda Afonso 9"QUARTO DE DESPEJO" COMO IMAGEM DA HISTÓRIA DA PSICANÁLISE: O CASO DE VIRGÍNIA BICUDOPatrícia Mafra de Amorim e Luiz Eduardo de V. Moreira 21A DIFERENÇA É A COR: O RACISMO COMO CÓDIGO MITO-SIMBÓLICO A SERVIÇO DO RECALQUE EM “QUARTO DE DESPEJO”Fernando Cézar Bezerra de Andrade 33RAÇA COMO CÓDIGO TRADUTIVO: UMA LEITURA DE "QUARTO DE DESPEJO"Fábio Belo 51O CORPO DESPEJADO: NOTAS SOBRE A EXPERIÊNCIA URBANA NA CONTEMPORANEIDADEFernanda Canavêz 63A ATUALIDADE DE "QUARTO DE DESPEJO: DIÁRIO DE UMA FAVELADA": REFLEXÕES SOBRE GÊNERO, RAÇA, SEXUALIDADE E CLASSE NO BRASILElisa Hipólito do Espírito Santo e Carolina Nunes Diniz 73VIRGÍNIA LEONE BICUDO: UMA PIONEIRA DA PSICANÁLISE BRASILEIRAÉrica Silva do Espírito Santo, Jhonatan J. Miranda, Julinéia Soares,
Marcus Vinicius Neto Silva e Olívia Loureiro Viana 85EXCLUSÃO SOCIAL E INVISIBILIDADE: DESDOBRAMENTOS TRAUMÁTICOS DO RACISMOCamila Peixoto Farias 103RACISMO, FOME, TESTEMUNHO E HUMOR:
SOBRE "QUARTO DE DESPEJO: DIÁRIO DE UMA FAVELADA", DE CAROLINA MARIA DE JESUSDaniel Kupermann e Karla Patrícia Holanda Martins 119
PSICANÁLISE, RACISMO E O ENCARCERAMENTO DA JUVENTUDE NEGRA:QUESTÕES PARA O SISTEMA SOCIOEDUCATIVOElisa de Santa Cecília Massa e Andréa Máris Campos Guerra 131RELATAR A SI MESMO ATRAVÉS DA PSICANÁLISE:UMA POSIÇÃO DA PROPOSTA ANALÍTICA DE RECUSA ÀS MAQUINARIAS DE REPRESSÃO RACIALWalef Batista Pereira 143PSICANÁLISE E RACISMO: UMA ANÁLISE SOBRE O PAPEL SOCIAL DA PSICANÁLISE NA PRODUÇÃO DE SABERESDaniel Bruno dos Reis 153A CATÁSTROFE SOCIAL DO RACISMO E A CLÍNICA PSICANALÍTICA COMO LUGAR DE TESTEMUNHORaissa de Matos Ribeiro e Paula Paim de Almeida Lana 161HÁ LUGAR PARA A RAÇA EM PSICANÁLISE? REFLEXÕES METAPSICOLÓGICAS A PARTIR DA TEORIA DA SEDUÇÃO GENERALIZADAThalita Rodrigues 177AS DIMENSÕES ÉTICA E POLÍTICA DO TRABALHO PSICANALÍTICO EM UM HOSPITALNO CONTEXTO DO ATENDIMENTO AO SUJEITO NEGRO VÍTIMA DE VIOLÊNCIA INSTITUCIONALMarcela Ribeiro Lima Sant’Ana e Michelle Karina Silva 199DESMENTIDO E TRAUMA NA CENA SOCIAL: EFEITOS SOBRE A CONSTITUIÇÃO SUBJETIVA E VIAS POSSÍVEIS DE ELABORAÇÃOMariana Rúbia Gonçalves dos Santos 215CONSTITUIÇÃO NARCÍSICA, RACISMO E MANEJO NA CLÍNICA PSICANALÍTICAMarcela M. Santos, Marina Almeida e Vanessa Biscardi Matos 223CAROLINA EM QUADRINHOS: REPRESENTAÇÃO DAS MULHERES NEGRAS NAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOSMarcus Vinicius Neto Silva 231"QUARTO DE DESPEJO" E A COMPULSÃO À REPETIÇÃO DA REALIDADENA VIDA DE MULHERES NEGRAS E POBRESJulinéia Soares 247ENTRE A NECESSIDADE E A FALTA: HÁ LUGAR PARA A PSICANÁLISE NOS QUARTOS DE DESPEJO?Giovana Leão C. Teixeira, Bruno Castro Ribeiro e Anamaria Silva Neves 263ÍNDICE REMISSIVO 277



Áreas do selo: ArtesEducaçãoHumanidadesLiteratura estrangeiraLiteratura nacionalTeoria e crítica literária

(re.li.cá.ri.o) sm. 1. Rel. Caixa ou baú onde se guardam objetos pertencentes a um santo ou que foram por ele tocados. 2. Caixa ou baú onde se guardam objetos de grande valor afetivo. 3. Bolsinha com relíquias que alguns fiéis trazem no pescoço em demonstração de devoção. 4. Coisa preciosa, de grande preço e valor. [F.: Do lat. reliquiae, arum; 'relíquias'.] A proposta editorial da Relicário Edições aproxima-se da definição de seu verbete, com a diferença de que a transpomos para um sentido laico. Escritas por mãos humanas, as palavras são fruto de um amálgama de sentidos, percepções e afetos – muitas delas palavras-relíquias, signos carregados de aura, rastros de tempo. A verdade é que desde muito as palavras possuem uma morada cativa - o livro é por excelência o relicário das letras. Queremos dar continuidade à função mais cara que o livro escrito possui: preservar e divulgar os saberes e memórias postos em letras e palavras por seus autores. A Relicário Edições possui duas linhas editoriais que abrangem gêneros textuais diversos. A primeira é direcionada à produção acadêmica e científica nas áreas de ciências humanas, filosofia, estética, artes e estudos literários, contemplando publicações a partir de dissertações e teses, bem como coletâneas de artigos, ensaios e revistas acadêmicas. Nessa linha editorial contamos com um conselho avaliativo composto por nomes representativos das principais universidades do país, cuja experiência permite a avaliação da qualidade dos textos e de sua relevância para o debate nas áreas em que os escritos se inserem. Traduções de autores estrangeiros dessas áreas do conhecimento estão igualmente presentes em nossa proposta editorial, pois acreditamos que trazê-los à língua portuguesa constitui um serviço ao leitor interessado, ampliando a partilha do pensamento que nasce em determinado tempo e espaço, mas cujos destinatários e interlocutores podem estar [e estão] aqui e agora. A segunda linha editorial se volta para a publicação de textos de literatura em língua portuguesa e para a tradução de autores estrangeiros – ainda pouco divulgados no país – que transitam pelo romance, ensaios, contos, crônicas e poesia. “Por mais que o livro se apresente como um objeto que se tem na mão; por mais que ele se reduza ao pequeno paralelepípedo que o encerra: sua unidade é variável e relativa. No momento mesmo que o interrogamos, a forma perde sua evidência; ela não se enuncia nela própria, ela só se constrói a partir de um campo complexo do discurso.” [FOUCAULT, M.] "Obscuramente livros, lâminas, chaves seguem minha sorte." [BORGES, J,L.] "Nunca hay demasiados libros. Hay libros malos, malísimos, peores, etcétera, pero nunca demasiados." [BOLAÑO, R.]

Saiba mais